Ouça aqui a ALCANTIL FM 87,9

sábado, 7 de fevereiro de 2015

Antes de encerrar o mandato, Carlos Dunga apresenta nove emendas à Lei Orçamentária Anual de 2015

O deputado estadual Carlos Dunga (PTB) apresentou, na Assembleia Legislativa, nove emendas à Lei Orçamentária Anual (LOA) exercício 2015. As emendas propostas pelo parlamentar contemplam importantes pleitos da população de diversos municípios paraibanos e totalizam o montante de mais de R$ 3,5 milhões, a que cada deputado tem direito. Dentre as ações defendidas por Dunga estão melhorias nas áreas de saúde, infraestrutura e cultura.
Carlos Dunga também destinou parte de suas emendas para o apoio a instituições filantrópicas que prestam assistência na área da saúde, a exemplo da Fundação Assistencial da Paraíba (FAP) e da Fundação Rubens Dutra Segundo, ambas de Campina Grande, que atuam no combate ao câncer.
“Procuramos atender da melhor forma possível as reivindicações da população paraibana, destinando emendas para diversas áreas do Estado, enfocando investimentos na saúde e infraestrutura para garantir melhorias na qualidade de vida dos paraibanos”, afirmou.
Para investimentos em esgotamento sanitário e  infraestrutura dos municípios, Carlos Dunga destinou emendas no valor de R$ 1 milhão para a cidade de Campina Grande, R$ 730 mil para Juazeirinho e R$ 500 mil para Riacho de Santo Antônio.
O tradicional Festival de Inverno de Campina Grande terá o incremento de R$ 300 mil para a sua promoção este ano. Para o parlamentar, o evento que já é referência, estimula a produção cultural e expõe os valores artísticos da nossa terra.
Carlos Dunga disse que apesar ter sido empossado no cargo somente em 2013, após re-totalização dos votos da eleição de 2010 pelo TRE da Paraíba, cumpriu mais um mandato consciente do dever cumprido, principalmente por sua luta em favor da luta contra a seca no Estado. “Mesmo sem o mandato, continuaremos na defesa do pequeno produtor rural como sempre fizemos ao longo de nossa trajetória”, arrematou.

Fonte: ascom

sábado, 27 de dezembro de 2014

É UM CONVITE DE FÉ, DE VERSO E ROMARIA


Cordel:

É dezembro o ano se finda
Hora de apurar e agradecer
Há anos, a promessa se cumpre
Por devoção, fé e prazer
Agradecer a Padre Cícero
Os dias do ano vividos
A Crença é pra quem nela crer
A história iniciou no Juazeiro
Companheiros de uma romaria
Muita gente de crenças
Outro de pouca valia
Todos acabavam rezando
Pedindo paz e prosperidade
Subindo o horto com alegria
La no juazeiro
Sempre bem recebidos
Por gente de tradição
Gente da Paraíba
A maioria de Boqueirão
Uma romaria de amigos
Cantando, orando em procissão
A caravana foi crescendo
Aumentado a devoção
Decidimos ficar por aqui
Nas terras do cariri
Fazer nossa tradição
E na Fazenda Mosquito
A romaria se fez missão
Nos caminhos da romaria
Muita gente se ajuntou
Uns só foram lá uma vez
Outros muito lá voltaram
Eu mesmo, interrogação fazia
Ignorância vazia
Hoje maior devoto sou
Nos caminhos, ensinamentos
No nordeste imensidão
Foram diversos os recantos
De encantos e lição
No cariri era a partida
Longo caminho se fazia
Parada no sertão uma terra um viver
Convidamos os Padres
Os romeiros da região
Vem gente de toda parte
Para o encontro de louvação
O encontro se tornou de amigos
Falando de paz, amor e devoção
O dia não muda a data
28 de dezembro
Em qualquer ocasião
Qualquer dia da semana
É a data de então
9h começa o celebrado
É o povo em oração
Carlos Dunga acorda cedo
Na fazenda é preparação
Na véspera o ensaio dos cantos
Por cantores da região
Os vizinhos e voluntários
Unem-se na arrumação
É festa de valia e tradição
Dona Neuza na eucaristia
Com as rezadeiras de então
Decoram com flores do campo
O altar a procissão
Os paramentos são sagrados
Água, vinho e pão
O ritual a comunhão
Convido-lhe para esse ano
Vir assistir a missa
A Fazenda é o Mosquito
No tabuado em Boqueirão
De Campina grande 40 minutos
Venha de onde vier
Aqui é espaço de oração
A romaria cresceu,
Chega gente de todo canto
De carro e até de pé
De Alcantil, João Pessoa
Riacho, Queimadas, Campina Grande
Cabaceiras, de Barra e Umbuzeiro
Boqueirão e Caturité
Do Rito todos participam
Cantadores, violas e batutas
São cantos nas vozes do povo
Pessoas muita gente de fé
Vaqueiros, trabalhadores, aboiadores
Doutores, e homens do povo
Nos sons da alma, La, si, dó ré
É ora de reencontrar
Romeiros, amigos afins
Falando de dias melhores
Afastando as coisas ruins
O que passou foi ensinamento
O hoje estou vivendo
O amanhã será assim
Nos hinos cantados
O homem, á água o chão
Acordes firmes diretos aos céus
Ecoando nas serras sem medição
Correndo campos, chamando os pássaros
Em letras de gratidão
Trazendo paz, chuva e pão
No encontro da relva do mato
A natureza mostra lição
Nessa missa santo padre
Só tenho espaço
Para a prece contida da emoção
O homem se rende nesse laço
Ao amor, a fé e ao perdão
O gado balança os chocalhos
Ecoando sons de sinos de igreja
Os cavalos trajados no couro
Dão o tom da vida caririzeira
Se a seca assola nosso recantos
A chuva pedimos com fé
Na certeza que Deus sabe seu tempo certo
Pedimos tempo bom para o povo
Água, segurança e atenção
Pras crianças paz, sabedoria
Aos de idade tranqüilidade e tempo são
Aos Padres agradecemos o evento
Aos amigos a participação
Desejamos um ano novo de muita comemoração
Reiteramos o pedido da chuva
Pra essa terra o chão molhar
Precisamos das águas vindas do céu
Pra beber e se alimentar
Traz verde traz esperança
Cheiro de leite, mato verde bonança
Onde os poetas podem cantar
Precisamos amar mais o próximo
Lendo as lições que o senhor
Aqui deixou
Compartilhemos entre nós o amor
A solidariedade força de fé
Que teremos dias melhores
A todos que proclamam seu mister
Peço ao Padre Cícero sua benção
O Deus e Jesus em comunhão
Se todos nós praticarmos amor
Tem sentido viver em oração
Nesse encontro de muita fé
Rogai por nós aqui reunidos
Presentes em luz e benção
A nossa Senhora de Aparecida
Peço também sua intercessão
Ave Maria, rogue por nós pecadores
Seu filho lhe estende a mão
Nos proteja o sacrossanta mãe
No ano vindouro em especial
Façamos deste próximo ano um eterno sempre Natal
Se puder venha,
É um prazer receber voz me cê
Já disse Jesus Cristo
Onde dois oi mais orar
Lá eu estarei a dizer
Participe do nosso encontro
Juntos vamos lhe agradecer
Nossa casa se abre em romaria
Juntos estamos em missão
Já agradeço por esse ano
E para os outros convidados estão
Guarde esse cordel que é convite pra todo ano
Com muita consideração
Agradecemos se sinta um amigo
Deste momento de Fé de Devoção.
Louvado Seja o Nosso Senhor Jesus Cristo.

Carlos Dunga Júnior
25/12/2014
Atualizado e reeditado.

sábado, 22 de novembro de 2014

BRASIL : E-mails provam que Lula e Dilma poderiam ter interrompido o propinoduto

O doleiro Alberto Youssef disse à Justiça que Lula e Dilma sabiam do esquema de corrupção na Petrobras. Agora, mensagens encontradas pela PF em computadores do Planalto mostram que eles poderiam ter interrompido o propinoduto, mas, por ação ou omissão, impediram a investigação sobre os desvios

Robson Bonin e Hugo Marques
 
************************************************************************
 
Antes de se revelar o pivô do petrolão, o maior escândalo de corrupção da história contemporânea brasileira, o engenheiro Paulo Roberto Costa era conhecido por uma característica marcante. Ele era controlador e centralizador compulsivo. À frente da diretoria de Abastecimento e Refino da Petrobras, nenhum negócio prosperava sem seu aval e supervisão direta. Como diz o ditado popular, ele parecia ser o dono dos bois, tamanha a dedicação. De certa forma, era o dono — ou, mais exatamente, um dos donos —, pois já se comprometeu a devolver aos cofres públicos 23 milhões de dólares dos não se sabe quantos milhões que enfiou no próprio bolso como o operador da rede de crimes que está sendo desvendada pela Operação Lava-Jato. Foi com a atenção aguçada de quem cuida dos próprios interesses e dos seus sócios que, em 29 de setembro de 2009, Paulo Roberto Costa decidiu agir para impedir que secassem as principais fontes de dinheiro do esquema que ele comandava na Petrobras. Costa sentou-se diante de seu computador no 19º andar da sede da Petrobras, no Rio de Janeiro, abriu o programa de e-mail e pôs-se a compor uma mensagem que começava assim:
“Senhora ministra Dilma Vana Rousseff...”.
O que se segue não teria nenhum significado mais profundo caso fosse rotina um diretor da Petrobras se reportar à ministra-chefe da Casa Civil sobre assuntos da empresa. Não é rotina. Foi uma atitude inusitada. Uma ousadia. Paulo Roberto Costa tomou a liberdade de passar por cima de toda a hierarquia da Petrobras para advertir o Palácio do Planalto que, por ter encontrado irregularidades pelo terceiro ano consecutivo, o Tribunal de Contas da União (TCU) havia recomendado ao Congresso a imediata paralisação de três grandes obras da estatal — a construção e a modernização das refinarias Abreu e Lima, em Pernambuco, e Getúlio Vargas, no Paraná, e do terminal do Porto de Barra do Riacho, no Espírito Santo. Assim, como quem não quer nada, mas querendo, Paulo Roberto Costa, na mensagem à senhora ministra Dilma Vana Rousseff, lembra que no ano de 2007 houve solução política para contornar as decisões do TCU e da Comissão Mista de Orçamento do Congresso Nacional.
Também não haveria por que levantar suspeitas se o ousado diretor da Petrobras que mandou mensagem para a então ministra Dilma Rousseff fosse um daqueles barnabés convictos, um “caxias”, como se dizia antes nas escolas e no Exército de alguém disposto a arriscar a própria pele em benefício da pátria. Em absoluto, não foi o caso. Paulo Roberto Costa, conforme ele mesmo confessou à Justiça, foi colocado na Petrobras em 2004, portanto cinco anos antes de mandar a mensagem para Dilma, com o objetivo de montar um esquema de desvio de dinheiro para políticos dos partidos de sustentação do governo do PT. Ele estava ansioso e preo­cupado com a possibilidade de o dinheiro sujo parar de jorrar. É crível imaginar que em 29 de setembro de 2009 Paulo Roberto Costa, em uma transformação kafkiana às avessas, acordou um servidor impecável disposto a impedir a paralisação de obras cruciais para o progresso da nação brasileira? É verdade que às vezes a vida imita a arte, mas também não estamos diante de um caso de conversão de um corrupto em um homem honesto da noite para o dia.
Para ler a continuação dessa reportagem compre a edição desta semana de VEJA no tablet, no iPhone ou nas bancas. Tenha acesso a todas as edições de VEJA Digital por 1 mês grátis no iba clube.
Outros destaques de VEJA desta semana

 

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Associação de Gameleira é invadida e caso vai parar na delegacia

Uma grande confusão tomou conta da cidade de Alcantil, no Cariri Paraibano, na manhã desta quinta-feira (9). É que um grupo de pessoas arrombou o prédio onde funciona a Associação Comunitária dos Moradores de Gameleira. A denúncia foi feita, com exclusividade ao Portal MaisPB, pela presidente da associação, Ana Íris Cavalcanti.

Ela contou que no momento do ocorrido estava em sua residência quando foi comunicada de que um grupo estava tentando arrombar e invadir o prédio da associação.

Após tomar conhecimento, Ana Íris disse que se dirigiu até o local e constatou a veracidade da informação. De acordo com ela, a ação teve conotação política, uma vez ter sido orquestrada por pessoas ligadas ao prefeito, com quem não mantém qualquer tipo de relação. “Eles (Carlos de Valdete, Manoelzinho do Logradouro e o secretário de Infraestrutura da cidade, Mucival) chegaram com os carros todos adesivados e arrombaram os cadeados do prédio, e colocaram novos cadeados, dizendo que a juíza da cidade estava vindo para o local, mas em nenhum momento me apresentaram o mandado judicial”, contou.

Ana Íris lamentou o ato de violência, principalmente contra um equipamento comunitário que já prestou relevantes serviços à população. Ela disse ainda que a ação foi totalmente despropositada, uma vez que o caso vem sendo objeto de uma ação na justiça.

Segundo ela, o arrombamento contou com o apoio de dois vigilantes e até dos vereadores Galego e Severina, ambos ligados da base de sustentação do prefeito Zé de Ademar, do PMDB. “A população de Alcantil está indignada com essa ação truculenta de pessoas como essas, que aproveitam o momento político para agir dessa forma”, afirmou.

A presidente da associação disse que após esse episódio, procurou a delegacia da cidade para lavrar um Boletim de Ocorrência Policial, e acionar as autoridades para as devidas providências.

Fonte: MaisPB

terça-feira, 23 de setembro de 2014

ARTIGO: Hoje é o Dia Mundial de Combate ao Estresse‏





Estresse: vilão ou aliado?

                                                                                                                   Por Marcelo Cardoso

O brasileiro é o povo mais estressado do mundo. Esse foi o resultado de uma pesquisa realizada pela empresa de recrutamento Robert Half, que diz que 40% dos trabalhadores sofrem com esse mal em seu ambiente de trabalho - bem acima da média mundial de 11%. Trabalhar com prazos curtos, ter que tomar decisões rápidas e assertivas, atuar em longas jornadas, participar de reuniões exaustivas e ter a habilidade de gerir pessoas, cada uma com sua personalidade. Essa é a rotina de um líder na maioria das organizações, e são eles os maiores responsáveis pelo resultado da pesquisa.
 Antes de qualquer coisa, que tal desconstruirmos a imagem tão negativa que temos do “estresse”? No mundo moderno, dizer que está estressado tornou-se uma situação normal. Se temos, por exemplo, um dia corrido, cheio de afazeres, já concluímos que passamos por um dia estressante. O mesmo termo é dado às pessoas grosseiras e sem educação.
 O estresse, segundo Dráuzio Varela, é “um mecanismo fisiológico do organismo sem o qual nós, nem os outros animais, teríamos sobrevivido. Se nosso antepassado das cavernas não reagisse imediatamente ao se deparar com uma fera faminta, não teria deixado descendentes. Nós existimos porque nossos ancestrais se estressavam, isto é, liberavam uma série de mediadores químicos (o mais popular é a adrenalina), que provocavam reações fisiológicas para que, diante do perigo, enfrentassem a fera ou fugissem”.
 Sim, o estresse nos fez chegar até aqui, e também é responsável por tantos problemas de saúde e relacionamentos. O acúmulo de obstáculos, o dia a dia repetitivo, e todos aqueles fatores citados anteriormente somados a tantas outras adversidades, são situações estressoras que desequilibram a quantidade de mediadores químicos. E é então que vem o desgaste, alterações do humor, tensão muscular, ansiedade e outros sintomas.
 Para um líder é de suma importância entender e identificar os fatores estressantes em sua organização. Dependendo do caso, há necessidade de um profissional especializado para analisar em qual ambiente este profissional está inserido e assim trabalharem juntos, utilizando os elementos negativos como trampolim para o sucesso.
 Quando entendemos quais fatores nos estressam é mais fácil lidar com eles. Não é possível controlar os fatores estressantes, mas mudar a maneira que reagimos diante deles, sim. Um líder desequilibrado influencia negativamente toda sua equipe. Ele pode contribuir significantemente para a famosa rádio peão, para faltas, conflitos de ideias, baixa produção, comunicação falha e clima de incerteza.
 Portanto, o profissional deve ser consciente e orientado, pautado nos objetivos da organização, de sua equipe e principalmente seus próprios. O líder deve ser firme em seus propósitos, consciente de que gestão de pessoas não é apenas comandar um monte de subordinados e sim gerir seres únicos, diferentes em sua concepção.
 Vivemos em um mundo onde os estímulos “estressantes” estão em tudo. Se não soubermos como enfrentar nosso dia a dia com mais leveza, ficaremos doentes e contribuiremos com a doença do outro.Comece mudando as atitudes mais básicas. Durma direito, desligue-se por um momento dos problemas, alimente-se melhor, faça atividades físicas, crie e curta momentos de prazer. Arrume tempo para si e principalmente busque mudanças refletindo sobre a melhor maneira de enfrentar as adversidades. Resolva seus problemas, pare de empurrar com a barriga.
 Por favor, não deixe de ser estressado, mas use toda a sua energia, para construir e contribuir. E que tal amanhã, quando estiver preso no trânsito, em vez de se estressar, aproveitar o momento e ouvir aquele CD de que tanto gosta? Se o estresse será um vilão ou aliado, quem decide é você!
Marcelo Cardoso é especialista em coaching, PNL (Programação Neuro Linguística) e fundador da Arco 7.

sábado, 16 de agosto de 2014

POLÍTICA: Cássio cresce nas pesquisase Ricardo segue em segundo lugar, Confira!

Na primeira pesquisa de opinião divulgada pelo JORNAL DA PARAÍBA depois do registro oficial das candidaturas a governador da Paraíba no Tribunal Regional Eleitoral (TRE), o senador Cássio Cunha Lima (PSDB) dispara com 48% das intenções de voto, quase o dobro do seu principal opositor, o governador Ricardo Coutinho (PSB). O tucano lidera a corrida em todas as mesorregiões do Estado. Os números são da pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (Ipespe), entre 7 e 9 de agosto.
De acordo com os números, o governador Ricardo Coutinho, que disputa a reeleição, detém 25% das intenções de voto. O senador Vital do Rêgo Filho, candidato do PMDB, ocupa a terceira posição, com apenas 3%. O Major Fábio, do Pros, obteve 1%. Os candidatos Antonio Radical (PSTU) e Tárcio Teixeira (PSOL) não pontuaram. Brancos e nulos somam 8% e não sabem ou não responderam totalizam 14%. Pelos números apontados na pesquisa, a eleição na Paraíba seria decidida logo no primeiro turno.
No confronto entre Cássio e Ricardo, o candidato do PSDB supera as intenções de voto conferidas ao candidato do PSB em todas as mesorregiões do Estado. A diferença maior aparece no Agreste, com 34% de vantagem para o tucano, que conta com 52% contra 18% do opositor. Nas demais regiões, os números são os seguintes: Mata (42% a 29%), Borborema ( 50% a 26%) e Sertão (52% a 27%). Nos dois maiores colégios eleitorais do Estado – João Pessoa e Campina Grande –, Cássio também bate Ricardo. Na capital, ele obteve 38% das intenções de voto contra 31% do adversário. Em Campina Grande, são 55% para o tucano e 15% para o socialista.
O favoritismo de Cássio também foi registrado na pesquisa espontânea. Ele tem 35%, Ricardo 18% e Vital 2%. Os demais candidatos não pontuaram. A pesquisa do Ipespe foi registrada na Justiça Eleitoral, sob o protocolo PB-00016/2014. Foram ouvidos 1.500 entrevistados no Estado. A margem de erro estimada é de 2,6 pontos percentuais para mais ou para menos, e intervalo de confiança de 95,5%.

Fonte: Jornal da Paraíba

sábado, 26 de julho de 2014

POLÍTICA: Pesquisa Correio/Souza Lopes traz Cássio com 45,5%, Ricardo com 29,2% e Vital com 4,4%

Candidatos ao Governo da Paraíba /2014
O Sistema Correio de Comunicação divulgou, na noite desta sexta-feira (25), a primeira pesquisa eleitoral Correio/Souza Lopes, após os registros de candidatura na Justiça Eleitoral para disputa ao Governo da Paraíba. A pesquisa foi exibida na edição do 'Jornal da Correio' e revelou os seguintes dados de intenções de votos:
Leia mais notícias de Política no Portal Correio
Cássio Cunha Lima (PSDB) lidera com 45,5%, seguido por Ricardo Coutinho (PSB), com 29,2%, e Vital do Rêgo Filho (PMDB), com 4,4%. Em quarto lugar aparece o Major Fábio Rodrigues (PROS), com 0,8%, acompanhado por Antônio Radical (PSTU), com 0,1%, empatado com Tárcio Teixeira (PSOL), também com 0,1%. Brancos e Nulos somaram 9,3%. 10,7% não sabem ou não opinaram
Foram realizadas 1500 entrevistas com eleitores do Estado da Paraíba no período de 19 a 22 de julho de 2014, considerando um erro amostral máximo de 2,6 pontos percentuais, com um nível de confiança de 95%.
A pesquisa foi registrada no TRE-PB sob o número: PB 00013/2014 - 20/07/2014 e no TSE sob o número: 00244/2014 - 20/07/2014
Leia números completos, inclusive para senador, na edição deste sábado (26) do Jornal Correio da Paraíba.

Fonte: Portal Correio